Back To Top
MENU
Scoliosis Research Society
SRS: Scoliosis Research Society

Scoliosis Research Society

Dedicado ao ótimo atendimento de pacientes com deformidade da coluna vertebral

Escoliose de Início Precoce

Tratamento

Colete gessado

Alguns poucos centros tratam a crianças mais novas com coletes gessados (figura 5). A colocação do gesso requer anesthesia geral para relaxar a criança durante sua colocação e aumentar aflexibilidade da curva, permitindo maior correção. O gesso é trocado geralmente a cada dois a quatro meses, geralmente sob anestesia. O colete gessado pode obter maior correção da curva, mas as custas de seus incovenientes (não pode ser retirado para o banho).

Os gessos seriados (um após o outro, trocando em intervalos regulares para permitir o crescimento) podem ser utilizados para prolongar a utilização do colete, permitindo uma correção parcial da curva e posteriormente retornando ao uso do colete. Já que o gesso pode ser considerado um colete de tempo integral, pois não pode ser retirado, muitos pais preferem este aos coletes de plastico, pois elimina o problema da aceitação do colete em crianças que não são cooperativas.

O colete gessado pode se tornar um método definitivo de tratamento do que simplesmente uma forma de retardar a progressão da curva. Um estudo realizado no Reino Unido indica que o tratamento de escolioses de início precoce não congênitas com gessos seriados iniciando aos 12 meses de idade, com média de curva de 32o, em alguns casos podem ter suas curvas reduzidas para <10o ao final do crescimento. Em pacientes que iniciam o tratamento aos 18 meses de idade ou depois, com média de curva de 52o, se obtém menor correção, porém se consegue manter sua curva estável até o final do crescimento.

Gessos em crianças com menos de dois anos de idade, onde o objetivo seja a cura da escoliose, necessita trocar os coletes sob anestesia a cada 2-3 meses (mínimo de cinco gessos) para se conseguir alinha a coluna. Apesar do tempo prolongado de gesso, um colete ainda será necessário após a retirada do gesso. Crianças acima de dois anos necessitam trocar os gessos a cada 3-4 meses. Crianças mais velhas que apresentem recidiva da escoliose, podem retornar temporariamente para o gesso por cerca de quarto meses e posteriormente continuar com o colete que já vinha utilizando previamente.

Figure 5

Figura 5 – Pacientes com escoliose tratados com colete gessado. Os furos no gesso são feitos no tórax e abdomen para permitir a criança respirar normalmente e se alimentar. As alças nos ombros são opcionais.